Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Ammit

AMMIT




Segundo algumas histórias antigas , Ammit era o cão do salão do julgamento dos mortos que, por sua vezes , após a morte eram julgados sua bondade por meio do seu coração na balança de Osíris e dado o peso equivalente a seus atos em vida .Sendo considerada culpada , a alma era destruída por Ammit ,devorada e engolida , assim deixando de existir pra sempre e não reencarnado jamais.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Menu Mitologia Oriental: Baku

BAKU




O Baku (貘 ou 貘) é um youkai japonês originalmente da mitologia Chinesa sendo uma criatura sobrenatural presente nas duas mitologias, e que devora sonhos e pesadelos. Ele é similar a uma quimera, sendo comumente retratado com a cabeça de um elefante e o corpo de um leão ou com a cabeça de um leão, o corpo de um cavalo, a cauda de uma vaca, e as pernas e os pés de um tigre, dentre outras possíveis combinações de animais. Uma lenda diz que, após os deuses terem terminado a criação dos animais, eles pegaram todas as sobras ao redor e juntaram para criar o Baku.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Menu mitologia Egípcia: Neter

NETER




Neter é certamente um dos seres mais interessantes da mitologia egípcia, pelo mistério que o envolve. Em geral, os investigadores modernos centram-se no seu estudo em três obras principais, o Livro das Pirâmides, o Livro dos Sarcófagos e o Livro dos Mortos. Neter tem poucas aparições na escrita egípcia, porém, com o pouco que se sabe sobre esse ser mitológico podemos levantar certas hipóteses. Apenas hipóteses, não é possível afirmar nada.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Montu

MONTU


Montu é o deus da Guerra bastante primitivo dos egípcios e já aparece mencionado no Império Antigo (c. 2575 a 2134 a. C.) e é citado nos Textos das Pirâmides.

Originalmente essa divindade estava ligada a Buchis, o touro sagrado adorado em Hermôntis que simbolizava o poder da fertilidade. No decorrer da XI dinastia (c. 2134 a 1991 a. C.) Montu recebeu um culto especial e vários soberanos adotaram o nome de Mentuhotepe (Montu está contente), incorporando, assim, o nome da divindade ao seu próprio nome. Em Hermôntis foi erguido um santuário dedicado ao deus, protetor da dinastia, e o deus e seu templo passaram a ser considerados como dos mais importantes da região tebana. Foi então, provavelmente, que se criou a personalidade guerreira da divindade. Vitórias conseguidas pelos reis eram atribuídas à força que Montu lhes proporcionava como senhor da guerra e de Tebas. No Império Novo (c. 1550 a 1070 a. C.) os faraós, belicosos que eram, faziam questão de se equiparar a esse deus, ressaltando que no decorrer das batalhas encarnavam a coragem e a força guerreira do deus Montu. Um templo a ele dedicado foi construído durante a XVIII dinastia no santuário de Karnak. Nessa época a divindade era representada com uma clava, um machado e um arco nas mãos e acreditava-se que o faraó fosse seu filho. No Terceiro Período Intermediário (c. 1070 a 712 a. C.) foi adorado em templos da Núbia com o nome de Uronarti.

A Egiptologa Elisabeth Delange nos explica que Montu era adorado sob duas formas animais:

sábado, 12 de agosto de 2017

Menu Artigos: Melhores Multiclasse

MELHORES MULTICLASSE



Desde o lançamento da quinta edição de D&D, muitas opiniões, críticas e análises foram expostas. O primeiro RPG do mundo finalmente voltou ao primeiro lugar da lista de mais vendidos da icv2, destronando seu filho bastardo Pathfinder.

Um dos pontos mais polêmicos do D&D é a questão das combinações multiclasse. Muita gente curte a quantidade de conceitos que se tornam possíveis a partir delas e costuma usar para cobrir fraquezas óbvias nas classes. Faz bastante sentido – um mago com Inteligência 18 realmente devia perceber que uma hora pode acabar sem magias e saber usar um rifle pode ser uma mão na roda (mas sim, a gente sabe que um mago da 3e nunca vai ficar sem magias se for usado direito). Essa questão específica das fraquezas foi muito bem coberta na 5e; nenhuma classe sofre de deficiência acachapantes (nem o Ranger!).

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Menu Mitologia: Os Lobos Gigantes de Winterfell

OS LOBOS GIGANTES DE WINTERFALL



O texto a seguir contém SPOILERS para os que ainda não leram A Guerra dos Tronos, estejam avisados !!.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Bes

BES




Embora existisse devoção popular para com os grandes deuses do panteão egípcio, o povo preferia cultuar divindades mais rústicas que, provavelmente, poderiam atender melhor às suas modestas aspirações. O deus Bes, de origem africana ou semítica, era uma delas. Apesar de sua aparência medonha, era inteiramente inofensivo. Tinha o aspecto de um pequeno gnomo barbado que exibia seu corpo nu e disforme e mostrava a língua de maneira provocante. Com rosto em forma de máscara, de cabelos desgrenhados e dotado de cauda, frequentemente estava coberto com peles de leão. Devotava-se a distrair e proteger os homens contra todos os malefícios.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Ápis

ÁPIS




Na mitologia egípcia, Ápis (Hap, Hapi ou Hape) era um touro sagrado venerado em Mênfis. Era tido como encarnação dos deuses Osíris e Ptah. De acordo com um mito, Ápis era a encarnação viva de Ptah , enquanto ele vivia e de Osiris quando ele morria. Representava-se este touro com um amuleto em forma de cobra na testa e com um círculo solar sobre a cabeça, entre os chifres. A mãe de um touro Ápis recebia o título de ” Vaca de Ísis “. Só podia existir um touro Ápis de cada vez. A busca por um touro substituto começaria com a morte do Ápis atual. O novo Ápis era transportado para Mênfis em um barco decorado construído especificamente para a ocasião.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Menu Artigos: O mito de Causar Medo em uma Mesa de RPG

O MITO DE CAUSAR MEDO EM UMA MESA DE RPG
Post original Aqui 



Sejamos sinceros: alguém já sentiu MEDO em uma mesa de RPG?

Muitos mestres gostam de dizer que uma determinada sessão de jogo foi especialmente legal porque seus jogadores ficaram apavorados.

Sinceramente, eu tenho as minhas dúvidas se é possível criar uma real sensação de medo nos jogadores através de uma narrativa de RPG. Notem que não estou falando de desconforto ou de apreensão que são perfeitamente possíveis. Estou falando daquilo que Lovecraft chamava de "o mais antigo e duradouro parceiro da humanidade" o bom e velho medo.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Mitologia Egípcia: Amon

AMON




Amon, Ámon ou Amun (em grego Ἄμμων, transl. Ámmon, ou Ἅμμων, Hámmon; em egípcio Yamānu) foi um deus da mitologia egípcia, visto como rei dos deuses e como força criadora de vida. Deus local de Karnak, constitui uma família divina com sua esposa Mut e seu filho Khonsu.

sábado, 5 de agosto de 2017

Menu Vídeos: Gaia

GAIA

Mais um vídeo do canal Foca na História 
Gaia é uma deusa primordial da Mitologia Grega. Está Também é conhecida como Mãe Terra ou Mãe Natureza. 


x

Bestiário Mitologico

Ola amigos trago para vocês um Bestiário com os principais monstros, espíritos, demônios, anjos e outros seres da mitologia humana espero que gostem. (Este post sera atualizado sempre que possível)

TATZELWURM


Tatzelwurm é também chamado de stollenwurm, springwurm, ou jumping worm, é um animal que possui cinco ou sete de comprimento, com forma de cobra, com aparência de felino na região da cabeça. Semelhante criatura faz parte do folclore escandinavo há séculos.

A primeira aparição do Tatzelwurm foi há 1700 anos atrás, para um fazendeiro, o qual atacou seus animais, particularmente porcos. O fazendeiro ficou tão aterrorizado que sofreu um ataque cardíaco e morreu algum tempo depois.

Em 1930, o engenheiro Hans Flucher, começou a investigar a existência de Tatzelwurm para a revista científica Kosmos e obteve algumas narrativas: Kaspar Arnold, funcionário da estrada de ferro, viu em julho de 1883 ou 1884, em Spielberg, Hochfilzen, Tyrol; e o funcionário de um hotel, Johann Biechl, em Hochfilzen, Rauris, no verão de 1921.

Até hoje notícias do Tatzelwurm tem se espalhado pela Suiça. Ou nas proximidades dos Alpes.


A primeira vez Tatzelwurm foi citado cientificamente por Conrad Gessner no Historica animalium. Depois as aparições foram analizadas por Bernhard Heuvelmans e pelo Dr. A. von Drasenovitch, que faz um relato de um ocorrido em 1.908; Outro estudioso do assunto foi Jacobs Nicolussi  que analisou os 65 relatos da aparição do Tatzelwurm. Até hoje não se tem nada de concreto, apenas relatos macabros, a maioria de fazendeiros.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Menu Mitologia: Jasconius

JASCONIUS




Na Idade Média e na época das grandes navegações, Jasconius ficou conhecido como uma figura lendária, que habita certas regiões dos mares europeus, e sempre estava assustando e aterrorizando os navegantes que por determinados lugares passavam.

Sua figura seria uma espécie de mistura entre uma tartaruga, peixe e baleia gigante, que com sua força poderia até mesmo derrubar os barcos mais resistentes, que nem mesmo tempestades haviam virado.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Menu Mitologia: Gogue e Magogue

GOGUE E MAGOGUE




Gogue e Magogue aparecem no livro de Gênesis, nos livros de Ezequiel, Apocalipse e no Alcorão. São muitas vezes apresentados como o nome de um príncipe, ou de um líder, ou ainda de um povo que habitava em uma região denominada Meseque e Tubal. Eles também aparecem na Mitologia e no Folclore Cristão-Judaíco.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Mitologia Grega: Eos

EOS


Eos era a titânide do amanhecer e do entardecer,  filha de Hiperião e Teia, é a irmã da deusa Selene, a Lua, e de Hélio, o Sol. E por isso sua principal função era abrir as portas do céu (Olimpo) para seu irmão (Hélios), que iria sair do olimpo para trazer a luz ao dia. E ela também abria as portas para ele voltar, enquanto sua irmã (Selene) cuidava da noite.

Normalmente citada como de longos cabelos louros e unhas tingidas de rosa com uma carruagem purpúrea puxada por dois cavalos alados, Lampo e Faetonte, com arreios multicolores. Ágil e graciosa, é munida de asas nos ombros e nos pés.

Essa caracterização expressa seu carácter de jovem caprichosa e despreocupada, que vive amores intensos e efêmeros.

Ela, por ter uma maldição de Afrodite (que ficou enciumada pois Eos apaixonou-se por Ares, e ficou um tempo com ele) em que ela amaria muitos mortais, e um mortal bastante conhecido na mitologia grega em que teve filhos com ela foi o Titono, em que ela teve muito medo de envelhecer e (ou) morrer, então ela pediu aos deuses para que o deixassem imortal, mas ela esqueceu de citar a juventude eterna,  e então Titono ficou velho, sem nunca morrer. Eos pediu então a Zeus para que transformasse Titono em uma cigarra.

Filhos com Titono: Emátion e Mêmnon

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Menu Vídeos: A Origem do Mundo Nórdico

A ORIGEM DO MUNDO NÓRDICO

Hoje lhes trago mais um vídeo muito bom do excelente canal Foca na História. 
Conheçam o mito de criação do mundo nórdico. E descubra como surgiu figuras como Ymir, Odin, a vaca Audhumla, Gigantes, Elfos e Anões. Além da história da criação do ser humano (Ask e Embla).


x

sábado, 29 de julho de 2017

Menu Mitologia Grega: Gerião

GERIÃO




Gerião (do grego antigo Γηρυών), na mitologia greco-romana, o nome de um dos gigantes, filho de Crisaor e de Calírroe, dotado de três cabeças; era irmão de Equidna, monstro metade mulher metade serpente, que gerou o cão Ortros, que velava pelo gado de Gerião. Seu mito está ligado ao de Hércules, a quem coube, num dos seus trabalhos, roubar-lhe os bois.

Gerião habitava Erítia (a "vermelha"), uma das míticas ilhas das Hespérides, situada no extremo Ocidente do mar Mediterrâneo. Trata-se provavelmente da Espanha, próximo a Cádis.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Menu Mitologia: Rostam

ROSTAM



Rostam ou Rustam (do persa رستم, Rostæm) é um dos maiores heróis da mitologia persa, filho de Zal e Rudabeh. Ele foi imortalizado pelo poeta do século X Ferdosi em sua obra Shahnameh ("O Épico dos Reis"), que narra a história e a mitologia do Irã, desde a criação do mundo até a sua conquista pelos árabes no século VII. 

Ao longo de sua jornada, Rostam presta serviços a uma série de reis, tornando-se um exemplar de herói, abnegado, que cumpre o seu dever, sem nunca buscar poder, mesmo quando o próprio povo desejava destronar seu rei em favor de Rostam. No Shahnameh, Rostam é o campeão dos campeões e está envolvido em numerosas histórias, que constituem algumas das mais populares e magistrais partes da obra.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Menu Mitologia: O Shah Nameh

O SHAH NAMEH



O Shah Nameh (em persa شاهنامه ), "Livro dos Reis" ou "Épica dos Reis", é uma grande obra poética escrita no século X, pelo escritor iraniano Ferdusi, que narra a história e a mitologia do Irã, desde a criação do mundo até a sua conquista pelos árabes no século VII. Sua elaboração levou cerca de 30 anos e o livro se constitui de 62 histórias (990 capítulos) e 56.700 dísticos (estrofes de dois versos)

Após a conquista árabe, o pahlavi, falado à época dos Sassânidas, desapareceu dos documentos escritos, tendo sido substituído pelo árabe. Somente no século IX o idioma reaparece, já como o persa moderno, resultante da transformação oral do pahlavi, mediante a incorporação de palavras árabes.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Menu Mitologia: Mixcoatl

MIXCOATL



Mixcoatl (nahuatl: Mixcōhuātl, “serpente nuvem”, pronunciado [. Miʃ.ko ː wa tɬ ː]), ou Camaxtli, era o deus da caça e era identificado com a Via Láctea, as estrelas, e os céus em várias culturas mesoamericanas. Ele foi o patrono da Otomi, chichimecas, e vários grupos que reivindicaram a descida da chichimecas. Enquanto Mixcoatl fazia parte do panteão asteca, seu papel era menos importante do que o de Huitzilopochtli, que era a sua divindade central. Sob o nome de Camaxtli, Mixcoatl era adorado como a divindade central da Huejotzingo e Tlaxcala.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Menu Mitologia: Huitzilopochtli

HUITZILOPOCHTLI



Huitzilopochtli (traduzido por Beija-flor Azul ou Beija-flor Canhoto ou ainda Beija-flor do Sul) era o deus do Estado, das tempestades, do sol e da guerra asteca. Era o padroeiro da cidade de Tenochtitlán, capital da confederação asteca. Este deus asteca era filho de Coatlicue (“a da saia de serpente”). Suas irmãs eram Coyolxauhqui e Malinalxochitl, uma feiticeira bonita, que também era sua rival. Seu mensageiro ou imitador foi Paynal.

sábado, 22 de julho de 2017

Menu Mitologia Grega: Érebos

ÉREBO



Érebo ou Érebos (em grego: Ἔρεβος, transl.: Érebos, "trevas" ou "escuridão") é, na mitologia grega, a personificação das trevas e da escuridão. Tem seus domínios demarcados por seus mantos escuros e sem vida, predominando sobre as regiões do espaço conhecidas como "Vácuo" logo acima dos mantos noturnos de sua irmã Nix, a personificação da noite.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Menu Mitologia Oriental: Yaoguai

YAOGUAI




Yaoguai, Yaomo ou Yaojing é, literalmente, demônio na mitologia chinesa, sendo uma classe onde predomina-se espíritos de animais maléficos ou seres celestiais caídos que obtiveram poder através da prática do taoismo (através de uma dinâmica de força motriz que envolve tudo que existe).

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Menu Mitologia Grega: Tártaro

TÁRTARO


Espectro do Tártaro

O Tártaro (em grego: Τάρταρος, transl.: Tártaros), na mitologia grega, é personificado por um dos deuses primordiais, nascidos a partir do Caos (apesar de alguns autores o considerarem irmão de Caos). Suas relações com Gaia geraram as mais terríveis bestas da mitologia grega, entre elas o poderoso Tifão.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Menu Mitologia: Tlaloc

TLALOC 



Tlaloc é deus da chuva, o senhor do raio, do trovão, do relâmpago, senhor do inferno “Aquele que descansa sobre a terra”, também chamado Nuhualpili, é o deus asteca da chuva, fertilidade e do relâmpago, e é um dos mais antigos deuses adorados na Mesoamérica- as primeiras imagens que podem ser identificadas como Tlaloc datam do século 1 dC em vasos de Tlapacoya. Nestas pinturas, Tlaloc está representado criando relâmpagos. Os astecas retratavam Tlaloc com um jarro de barro ou panela em que ele guardava as águas da chuva. Tlaloc também tem dentes de onça e de olhos grandes – alguns pensam que Tlaloc era parte jaguar, um atributo que pode ter derivado da religião olmeca onde o jaguar-homem era a divindade primária.Seus equivalentes em outras culturas da mesoamérica são Chac (deus da chuva maia) e Cocijo (deus da chuva Zapoteca).

terça-feira, 18 de julho de 2017

Mitologia Grega: O Colosso de Rodes

O COLOSSO DE RODES




O Colosso de Rodes (em grego clássico: ὁ Κολοσσὸς Ῥόδιος) foi uma estátua do titã-deus do Sol da mitologia grega, Hélios, erguida na cidade de Rodes, na ilha homônima, por Carés de Lindos em 280 a.C. Uma das sete maravilhas do mundo, foi construído para comemorar a vitória de Rodes contra o governante macedônio Antígono Monoftalmo, cujo filho, Demétrio I, sem sucesso, sitiou Rodes em 305 a.C. De acordo com a maioria das descrições contemporâneas, a Colosso tinha aproximadamente 70 côvados, ou 33 metros de altura, 70 toneladas e era feita de bronze. A altura aproximada da Estátua da Liberdade (dos pés à coroa), o que o tornava uma mais altas estátuas do mundo antigo assim tornou-se uma das sete maravilhas do mundo antigo. O monumento foi destruído durante um terremoto de 226 a.C. e nunca foi reconstruído.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Menu Vídeos: Loki

LOKI


Hoje trago pra vocês mais um ótimo vídeo do canal Nerdologia História onde vamos ver sobre o Loki da mitologia nórdica e como ele inspirou o Loki dos quadrinhos.

sábado, 15 de julho de 2017

Mitologia Grega: DEUSES GREGOS

Ola amigos estou trazendo hoje o primeiro de uma serie de posts sobre mitologia, começando com os gregos, espero que gostem. (sempre que possível o post será atualizado com mais deuses

ZEUS


Zeus  deus dos trovões, senhor do Olimpo, era filho de Cronos e Réia. Cronos tinha o hábito de  devorar seus próprios filhos para que não tomassem seu lugar no trono. Até que Zeus nasceu e sua mãe Réia já cansada de tanto sangue e sofrimento deu a Cronos uma pedra embrulhada no lugar de Zeus, salvando sua vida. Réia decidiu que Zeus seria o ultimo filho e encerraria o reinado de sangue e sofrimento e tomaria o trono do pai.
Assim que Cronos descobriu que tinha engolido uma pedra ao invés do filho saiu a procura de Zeus, mas não o encontrou. Zeus foi criado no bosque de Creta e foi alimentado com mel e leite de cabra. E assim quando cresceu foi a procura do pai para combatê-lo, eles viraram grandes inimigos, Zeus obrigou seu pai a engolir uma bebida mágica, que restituiu todos os filhos que no passado tinha devorado. Foi então que Zeus conheceu seus quatro irmãos: Deméter, Poseidon, Héstia e Hades, faltou apenas a Hera que como Zeus foi poupada e não estava ali. Zeus ainda liberou ciclopes que deu a ele o Raio. Então após dez anos, que foi o tempo que durou a guerra, Zeus subiu ao Olimpo junto com seus irmãos Poseidon e Hades que o ajudaram a destruir Cronos, e então comandaram o Céu, a Terra e os demais deuses.
Zeus tinha o poder dos fenômenos atmosféricos e fazia relâmpagos e trovões e com sua mão direita lançava a chuva, podia usar sua força como destruidora, mas também mandava chuvas para as plantações.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Menu Mitos e Lendas: Jesse James

JESSE JAMES



Jesse Woodson James (Kearney, 5 de setembro de 1847 – Saint Joseph, Missouri, 3 de abril de 1882) foi um fora-da-lei, do Velho Oeste dos Estados Unidos, conhecido por seus roubos. Porém, Jesse nem sempre foi um fora-da-lei. Antes de entrar para o mundo do crime, ele e seu irmão Frank eram agricultores.

É considerado por muitos historiadores como um dos melhores cowboys a utilizar uma arma. Alguns dizem que seu primeiro assassinato ocorreu com 14 anos de idade. Ao longo de sua vida Jesse teria matado pelo menos vinte pessoas.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Harpoócrates

HARPÓCATRES



Harpócrates (em grego: Ἃρποκράτης), na mitologia grega, é o deus do silêncio. Foi adaptado pelos antigos gregos a partir da representação infantil do deus egípcio Hórus. Para os antigos egípcios, Hórus representava o Sol recém-nascido, surgindo todo dia ao amanhecer. Quando os gregos conquistaram o Egito, com Alexandre, o Grande, acabaram por transformar o Hórus egípcio numa divindade helenística conhecida como Harpócrates (do egípcio Har-pa-khered ou Heru-pa-khered, lit. "Har, a Criança").

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Menu Mitologia: SIMURGH, Ave Persa

SIMURGH, Ave Persa




Simurgh (em persa: سیمرغ), também grafado como simorgh, simurg, simoorg ou simourv, e também conhecido como Angha (em persa: عنقا), é o nome persa moderno para uma fabulosa, benevolente, e mítica criatura alada. A personagem pode ser encontrada em todos os períodos da arte e literatura Iranianas, e também é evidente na iconografia da Armênia medieval, no Império Bizantino, e em outras regiões que estavam dentro da esfera da influência cultural persa.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Menu Mitologia: Ometecuhtli

OMETECUHTLI



Ometecuhtli é deus Asteca da criação (O senhor Deus) e Omecihuatl, A Senhora Deus, formavam a dualidade criadora na religião mexica.
Eruditos como Miguel León-Portilla traduzem Ometeotl/Omecihuatl como Senhor(a) da Dualidade, implicando um único deus de caráter dual.

Ometecuhtli representa a essência masculina da criação. É esposo de Omecihuatl e pai de Tezcatlipoca vermelho (Xipe Tótec), Tezcatlipoca preto (Tezcatlipoca), Tezcatlipoca branco (Quetzalcoatl), e Tezcatlipoca azul (Huitzilopochtli).

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Menu Mitos e Lendas: Billy the Kid

BILLI THE KID



William "Billy the Kid" Bonney (pseudônimo de Henry McCarty; 23 de novembro de 1859 — 14 de julho de 1881) foi um pistoleiro e ladrão de gado e cavalos norte-americano. Antes de se tornar um conhecido fora-da-lei, participou da Guerra do Condado de Lincoln, no Novo México. Membro do grupo de delegados conhecido como Os Reguladores de Lincoln, buscava vingança pela morte de seu patrão, John Henry Tunstall. Também era conhecido pelo nome de Henry Antrim.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Menu Mitologia Oriental: Origem e História do Hashi

ORIGEM E HISTÓRIA DO HASHI




O Hashi começou a ser usado no ano de 2.500 anos antes de Cristo. Conta-se que os primeiros foram utilizados como suporte para grelhar carnes sobre a brasa. Para não queimar as mãos ao servir a carne, iniciou-se o costume de usar palitos feitos bambu. Lenda ou fato, o hábito sobrevive até os dias de hoje e se mostra uma das formas mais interessantes de manipulação dos alimentos.

O hashi é mais higiênicos do que o garfo e a colher e pode ser produzido em diversos materiais, desde bambu até prata ou marfim. Parece que toda a cultura culinária oriental foi de certa forma desenvolvida para ser consumida por estes palitinhos. Os alimentos, com exceção do macarrão, são cortados em tamanhos que podem ser facilmente segurados, dispensando o uso da faca e do garfo.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Menu Mitos e Lendas: Anaxágoras

ANAXÁGORAS



Anaxágoras de Clazómenas (português europeu) ou Clazômenas (português brasileiro), em grego antigo: Ἀναξαγόρας, transl. Anaxagoras (ca. 500 a.C. — 428 a.C.), foi um famoso filósofo grego do período pré-socrático. Nascido em Clazômenas, na Jónia, fundou a primeira escola filosófica de Atenas, contribuindo para a expansão do pensamento filosófico e científico que era desenvolvido nas cidades gregas da Ásia. Era protegido de Péricles que também era seu discípulo. 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Menu Contos: A Dama Inevitável

A DAMA INEVITÁVEL 

Autor: Leandro Hardark 



Quando me lembro daquele elfo, não consigo esquecer seu olhar. Uma pena que eu o tenha usurpado. Gal’Lahad, o invencível general dos céus. Assim que o vi pela primeira vez, soube que daria um grande trabalho fazê-lo acordar.

A névoa cercava o bosque em um abraço firme, recusando-se a dispersar mesmo sob a ordem do sol, já alto. Das árvores velhas, poucas ainda estavam de pé após o grande incêndio. A cada sopro do leste, as cinzas agitavam-se, erguendo-se em ondas e redemoinhos, espalhando-se. Ossos e metal descansavam ao chão, jogados por onde a vista alcançasse. Não havia inseto ou pássaro, nem mesmo folhas para cantar quando atiçadas pelo vento. Apenas morte.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Menu Mitologia Oriental: Yõkai - Youkai

YÕKAI - YOUKAI




Yõkai, Youkai, também escrito como yokai (demônio, espírito, ou monstro), é uma classe de criaturas sobrenaturais, existindo uma grande variedade no folclore japonês. O termo é ambíguo, pode ser traduzido como sedutor, encantador ou, até mesmo, calamidade. Comumente, o termo é interpretado como “encantamento”, o que traz a conotação de algo sobre-humano e misterioso. Eles também podem ser chamados de “ayakashi”, "mamodo", “mononoke” ou “mamono”. São criaturas mágicas que incluem entre tantos gêneros: a kitsune (raposa), Kodamas (espíritos da floresta), Yuki-onna (mulher da neve) Tsukumogamis (artefatos encantados) e os Onis (ogros/demônios).

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Menu Mitologia: Vahagn

VAHAGN



Grande herói e Rei mitológico do folclore Armênio. 
No texto atribuído a Moisés de Corene e composto cerca de mil anos depois, História da Armênia, Vahagn é um dos filhos de Tigranes I da Arménia; Tigranes teve três filhos, Bab, Tiran e Vahagn.

sábado, 1 de julho de 2017

Menu Mitologia: Astighik

ASTIGHIK



Astghik, na mitologia arménia, era a deusa de beleza, ela era filha de Aramazd e se casou com o rei Vahagn.

Aramazd era o principal deus da Arménia, era chamado de Arquiteto do Universo, Criador dos Céus e da Terra. Sua esposa se chamava Sandaramet. Ele era o pai dos outros deuses. Ele tinha várias filhas, dentre as quais Anahit, que correspondia à deusa grega Ártemis, e era a mãe da castidade, Astghit e a terceira, Nané ou Nooné, deusa da invenção.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Menu Artigos: Tornando Econtros com Monstros mais fracos interessantes

TORNANDO ENCONTROS COM MONSTROS MAIS FRACOS INTERESSANTES

Autor: Thiago Shirken



É comum em jogos mais tradicionais, principalmente os que usam sistemas de níveis, que os personagens jogadores comecem muito frágeis. Isso tem diminuído muito com o tempo – a época do D4 como dado de vida já ficou para trás (a não ser que você jogue Old Dragon).

Embora faça todo sentido que o game design torne os personagens mais robustos para que eles de fato cheguem aos níveis mais altos, a galera da OSR tem razão quando fala que aquela fragilidade fomentava os jogadores a pensarem mais e desenvolverem “player skill” – uma forma de reconhecer o que é perigoso no mundo de jogo e reagir de acordo, conhecendo a sua própria mortalidade, para chegar a seus objetivos. É uma mistura de gerenciamento de risco com conhecimento de probabilidades com familiaridade com as regras do jogo e com o cenário.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Menu Mitologia Grega: O Anel de GIges

O ANEL DE GIGES



O anel de Giges é uma lenda que integra A República de Platão.

O MITO

Giges era um pastor que morava na região da Lídia. Após uma tempestade, seguida de um tremor de terra, o chão se abriu e formou uma larga cratera onde ele apascentava seu rebanho.

Surpreso e curioso, o pastor desceu até a cratera e descobriu, entre outras coisas, um cavalo de bronze, cheio de buracos através dos quais enfiou a cabeça e viu um grande homem nu que parecia estar morto.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Menu Mitologia: Anahit

ANAHIT



Anahit era uma deusa da mitologia armênia. Fazia parte da trindade dos deuses principais, junto com Nané e Astghik.

Foi a primeira divindade local a ter imagens de culto, sendo venerada em toda a Armênia, com centros principais em Eriza, Armavir, Artaxata e Ashtishat. Todo o distrito de Eriza era-lhe consagrado. Sua festa principal era comemorada no mês de Navasard, com danças, música, competições e banquetes, e os doentes acorriam ao templos em busca de cura. A cabeça da deusa era o símbolo da medicina na Armênia. No dia de seu festival recebia como oferendas uma pomba e uma rosa. Provavelmente seu culto foi importado da Pérsia. Seus atributos principais eram a fertilidade, a castidade e a sabedoria. Também era chamada de Oskémair, tendo nesta forma os atributos de uma Grande Mãe. Outro de seus nomes era Vardavar. Beroso a identificou com Afrodite, e uma tradição a identifica com Ártemis.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Menu Mitologia: Aramazd

ARAMAZD



Aramazd era a principal divindade do panteão pré-cristão da Armênia. Chamado pelos armênios da época de "Arquiteto do Universo, Criador do Céu e da Terra",era considerado o pai de todos os deuses e deusas, criador do universo.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Menu Mitologia: O Ceifeiro

O CEIFEIRO



Os Ceifeiros, ou Ceifadores, são seres sobrenaturais presentes em diversas culturas do mundo de maneira semelhante. No ocidente, a imagem do Ceifeiro, que também é chamado de Anjo da Morte ou, simplesmente, Morte é associada a uma figura esquelética carregando uma gadanha (ferramenta parecida com a foice, que representa a ação de "colher" as almas, assim como na agricultura) e vestida com uma túnica e um capuz pretos. No oriente é chamada de Yama, Yanluo, Enma Dai Oh, Rei Yomna, ou mais recentemente, Shinigami (Deus ou Anjo da Morte).

sábado, 24 de junho de 2017

Menu Mitologia Indiana: O Colecionador de Dedos

O COLECIONADOR DE DEDOS AHIMSAKA: ANGULIMALA




A fábula deste assassino está descrita nos milenares sutras da tradição budista Teravada.
Ele nasceu há cerca de 2.6 mil anos, no norte da India, no reino de Kosala, a princípio foi um garoto gentil e inteligente, provando ser um aluno exemplar, como seu mestre não tinha filhos , ele e a esposa tratou o garoto como tal, deixando os outros alunos enciumados. 

Então movidos pela inveja eles espalharam um boato que Ahimsaka era amante da mulher do mestre que planejou livrar-se dele. Como última tarefa, e sacrifício a ele, o jovem devia trazer mil dedos da mão direita de mil pessoas que matasse.  

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Menu Mitologia Egípicia: O mito de Osiris

O MITO DE OSÍRIS



Osíris era o deus que, com sua irmã-esposa Ísis, reinava sobre o Egito. Ele havia ensinado aos homens a agricultura e a metalurgia e era amado por seus súditos. Seu enciumado irmão Seth (o deus das tempestades do deserto) o matou, colocou seu corpo num cofre e jogou no Nilo. Ísis procurou o cadáver do marido e o encontrou em Biblos. Ela o trouxe de volta e o escondeu em um pântano. Seth o descobriu, cortou-o em 14 pedaços e os espalhou pelo Egito. Ísis novamente foi atrás do marido, recuperou os pedaços em decomposição, com exceção do falo, e, com eles, fez uma múmia. Com a ajuda de outros deuses mais seus poderes mágicos, Ísis devolveu a vida ao marido e reconstituiu seu membro perdido. O casal gerou Hórus, que foi criado pela mãe e protegido do ambicioso Seth até chegar o momento de assumir o trono. Osíris não recuperou seu reinado terrestre, mas passou a reinar sobre os mortos. Hórus, mais tarde, tornou-se o rei do Egito. Os faraós o sucederam. 

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Menu Alquimia: A Tábua de Esmeralda

TÁBUA DE ESMERALDA



A Tábua de Esmeralda (ou Tábua Esmeraldina) é o texto escrito por Hermes Trismegisto que deu origem à Alquimia.

A Tábua Esmeraldina é considerada o mais antigo registro escrito ou livro de conteúdo metafísico, religioso e ontológico, tratando mistérios e verdades da condição humana, da lógica do Universo e da relação entre essas duas realidades. Sua origem é incerta. A Tábua pertence ao mundo e relatos sobre este objeto são conhecidos no Oriente e Ocidente desde tempos imemoriais.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Menu Mitos e Lendas: A Lenda de Paganini

A LENDA DE PAGANINI



Niccolò Paganini foi um revolucionário violinista e compositor italiano e tornou-se um dos pilares da moderna técnica de violino.

Paganini não teve uma infância fácil, além de um pai cruel, o menino teve sarampo que o deixou muito doente, quase foi enterrado prematuramente, essa doença deixou Paganini doentio pelo resto da vida...

terça-feira, 20 de junho de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Cultos e Templos no Antigo Egito

CULTOS E TEMPLOS NO ANTIGO EGITO



Havia três modos de cultos no Egito antigo: oficial, popular e funerário. O culto oficial era realizado pelo faraó e pelo corpo de sacerdotes nos grandes templos e em diversas regiões do Egito. Era endereçado aos deuses do panteão egípcio. Os deuses locais tinham uma importância maior no culto. Dessa forma, na cidade de Mênfis, a tríade constituída pelo deus Ptah (deus dos artesãos, mas considerado criador nessa cidade), pela deusa Sekhmet (deusa solar de grande poder e responsável pelas doenças e pela cura) e pelo "filho" Nefertum deveria ter uma atenção maior. Já em Tebas, o deus Amon-Ra — visto aqui como um deus criador —, sua consorte, a deusa Mut (a mãe), e Khonsu, um deus de característica lunar, ganhariam mais destaque. Mas apenas poucas cidades tinham tríades divinas como essas. 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Menu Mitologia Oriental: Chan Chu

CHAN CHU



Chan Chu (chinês tradicional: 蟾蜍; Pinyin: chánchú; Wade-Giles: ch'an-ch'u) significa "sapo" ou "rã", especialmente o "Sapo da Sorte nas Finanças" (chinês tradicional: 招财蟾蜍; Pinyin: zhāocái chánchú; lit. sapo da prosperidade) ou Sapo de Três Pernas da Sorte, um símbolo popular de prosperidade da China.

sábado, 17 de junho de 2017

Menu Mitologia: O Guerreiro Josué

O GUERREIRO JOSUÉ



Josué, originalmente chamado de Oséias, foi um líder de Israel, sucessor do profeta Moisés. Depois da morte de Moisés, Josué liderou o povo de Israel na conquista das cidades-estados da terra de Canaã e foi responsável por conduzir os israelitas à Terra Prometida por Yahweh (Deus) a seus antepassados, que estava habitada há séculos por um povo perverso, pecador e violento.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Menu Mitologia: Iemanja a Rainha do Mar

IEMANJÁ, A RAINHA DO MAR



Iemanjá é a orixá africana do povo Egba, a divindade das águas doces. Seu nome deriva da expressão “Yèyé omo ejá” (“Mãe cujos filhos são peixes”). É também conhecida no Brasil pelos epítetos Iyá Ori, Mãe d'água, Rainha do Mar, Sereia, Inaê, Aiucá, ou Maria princesa do Aioká. É conhecida popularmente como Dona Janaína. No dia 2 de fevereiro, celebra-se uma grande festa em homenagem à "Rainha do Mar", que é considerada a orixá mais popular do Brasil.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Menu Mitos e Lendas: Guilherme Tell

GUILHERME TELL



Guilherme Tell foi um herói lendário do início do século XIV, que teria vivido no cantão de Uri, na Suíça.

Guilherme era conhecido como um especialista no manejo da besta. Na época, os imperadores Habsburgos lutavam pelos domínios de Uri e, para testar a lealdade do povo, Hermann Gessler, um governador tirano, pendurou um chapéu num poste de uma praça. Todos que por lá passassem teriam de fazer uma saudação como prova do seu respeito. O chapéu era guardado por soldados que se certificariam que as ordens fossem cumpridas.