Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Menu Artigos: American Gods

AMERICAN GODS




Deuses Americanos é uma espécie de Sandman para adultos. Um romance de Neil Gaiman passado no mundo “real”, onde um sujeito com o improvável nome de Shadow Moon cai no meio de uma literal Guerra dos Deuses.

A série do canal Starz tem Gaiman como produtor executivo, e demorou o tempo certo para sair. A produção é impecável, o clima de road movie foi mantido e o texto atualizado, afinal se até os deuses evoluem, um livro de 2001 pode ser atualizado para os dias atuais. 

A história começa quando Shadow, um ex-presidiário é libertado alguns dias antes do fim de uma pena, por um motivo justo: sua mulher havia morrido. A vida de Shadow entra em parafuso, e isso antes de descobrir que sua mulher morreu num acidente de carro junto com seu melhor amigo, em um situação bem constrangedora, se é que você me entende.

Shadow encontra um sujeito estranho, o da foto acima e recebe uma oferta de emprego como guarda-costas. Perguntado de seu nome o sujeito diz que é Mr Wednesday, afinal “é meu dia mesmo”. Quem conhece um pouco de mitologia já sacou, e em outro episódio quando o cidadão é chamado de Wotan, fica óbvio (os corvos ajudam) ele é a divindade nórdica conhecida por nós como Odin.



Como Odin foi parar nos EUA? 

Isso é mostrado no começo do primeiro episódio, quando um barco Viking aporta em uma região inóspita da costa americana, e os guerreiros acabam em um frenesi de sacrifício a seu deus, para que o vento surja e os leve embora. O primeiro dos velhos deuses chegou ao novo mundo. Então muitos o seguiriam.

Gaiman fez uma pesquisa primorosa, desencavando deuses há muito esquecidos, como o Chernobog, uma entidade eslava mencionada de forma menor em textos do século XII. Há outros, muitos outros deuses antigos, inclusive os nativos. E há os deuses novos.



Quem são os deuses novos? Olhe à sua volta:

Neil Gaiman diz que os deuses deixam de existir quando o último de seus fiéis morre. Os deuses antigos hoje têm uma fração de seu antigo poder. Afinal de contas quanta gente ainda acredita em Odin?
Bilquis, outrora Deusa do Amor e Rainha de Sabá trabalha como prostituta e sobrevive das migalhas de adoração de seus clientes (aos quais ela devora em êxtase)


Globalização, Tecnologia, Mídia, todos são novos deuses crescendo em poder e alcance. A Mídia aliás é Gillian Anderson, que aparece para Shadow em um video wall, interrompendo um episódio de I Love Lucy. Sim, ela é… Lucille Ball:




Wotan quer reunir os velhos deuses para uma última batalha contra os novos, esses por sua vez querem trazer Shadow para o lado deles, por algum motivo. Shadow mesmo não liga pra nada, anda apático e sem esperança, depois de ter descoberto o lado oculto da esposa. Mesmo assim ele permanece leal a Odin.

De certa forma Deuses Americanos lembra um pouco a mitologia de Supernatural, mas os deuses antigos são mais benignos e em condição pior. E são caçados por coisa bem pior que os Irmãos Winchester.

Por enquanto os episódios são entremeados por sequências mostrando deuses isolados, como Anúbis recolhendo a alma de uma velhinha e testando sua pureza. Todos irão se encontrar no final? Isso só saberemos mais adiante. 

Deuses Americanos já foi renovada para uma segunda temporada, Neil Gaiman escreveu cenas novas e a primeira só usaria um terço do livro original. Histórias não faltam.




Sexo e Violência:

Na sequência de abertura já fica evidente que vai ter sangue sim, e muito. No terceiro episódio um leprechaun azarado sofre um acidente de carro horrível, e o destino dos agressores de Shadow é… sinistro. 

Só que não é isso que vai chocar a audiência. O Starz já não teve pudores em Davinci’s Demons, mas em American Gods decidiram humilhar Game of Thrones no quesito pirocas por metro quadrado.

As cenas de sexo são bem fortes, e digamos assim se você não gosta — ok ficou estranho — se você se incomoda em ver pirocas, não veja Deuses Americanos, elas estão presentes, em posição de sentido e quem não gostar que saia da frente.

Ah sim, o ISIS vai mandar matar todo mundo da produção, no terceiro episódio há uma cena de sexo gay quase explícita, entre dois muçulmanos. Desnecessário? Talvez mas lembrar  filho, no primeiro episódio a Bilquis empurra um sujeito inteiro pra dentro da ppk, esse trem já partiu faz tempo. 

CONCLUSÃO



Se você não leu o livro não vai entender nada. Seu único bote salva-vidas é Shadow Moon, que também não está entendendo nada, ele é um sujeito endurecido, basicamente ateu vendo todo um novo Universo surgir diante de seus olhos, e nem ele mesmo sabe se acredita em tudo que Wotan conta, embora a história de que o Jesus Mexicano entrou nos EUA como ilegal faça bastante sentido.

Vale assistir? Claro que vale, a série vai te tirar da zona de conforto aula de catecismo gibi da Marvel, você vai ver coisas estranhas, deuses esquecidos, primais, violentos, surgidos da mente de nossos ancestrais mais remotos, maravilhados e assustados com o mundo á sua volta. Sugestão: leia o Livro e assista a série. 

A série é ótima e pode ser assistida no Starz ou na Amazon Prime, mas o livro é sempre uma boa opção. Deuses Americanos está na Amazon a R$ 34,90 edição normal e R$ 29,90 no Kindle.

Assista o trailler:

Nenhum comentário:

Postar um comentário